VIE 28 DE ENERO DE 2022 - 01:45hs.
Conspiração, corrupção e lavagem de dinheiro

Investigação de fraude em loteria se aprofunda na República Dominicana

A prisão preventiva de William Rosario Ortiz, ex-presidente da Federação Nacional das Casas de Apostas Lotéricas (FENEBANCA), foi confirmada por um tribunal de apelação. Rosario Ortiz é o único réu que apelou entre os dez réus que foram indiciados como parte de um caso de corrupção em loteria apelidado de 'Operação 13'.

Ortiz, ao lado de seus supostos co-conspiradores, é acusado de conspiração criminosa, fraude e lavagem de dinheiro.

A Procuradora-Geral Adjunta Yeni Berenice Reynoso destacou o mérito das investigações conduzidas pelo Ministério Público, afirmando que a decisão deu peso adicional à gravidade das acusações contra os envolvidos no suposto golpe.

Em maio, a Loteria Nacional da República Dominicana anunciou que havia realizado uma investigação de sete meses sobre fraudes relacionadas à loteria, inicialmente envolvendo um sorteio suspeito ocorrido naquele mês. A loteria chefiada por Luis Maisichell Dicent disse que analisará até 100 sorteios realizados nos últimos dez anos.

Em junho, os acontecimentos tomaram um rumo inesperado quando o próprio Dicent foi preso depois que o Ministério Público o acusou de planejar e orquestrar o golpe.

O Ministério da Justiça disse em um comunicado que Luis Dicent e os presos por meio da Operação 13 minaram “o sonho dos dominicanos que confiavam que um dia a sorte os tocaria e eles poderiam se beneficiar dos prêmios da Loteria Nacional”.

Em 1º de maio, o grupo de réus teria realizado um sorteio fraudulento. De acordo com os promotores, Valentina Rosario fingiu extrair o número 13 como um acumulado.

O legislador Máximo Castro Silverio disse desde então que está trabalhando em um projeto de lei para fechar a Loteria Nacional e todas as loterias por até sete meses. O projeto permitiria a uma comissão nomeada pelo Executivo revisar a loteria e reduzir o número de modalidades lotéricas.

Fonte: G3 Newswire