SÁB 23 DE OCTUBRE DE 2021 - 20:06hs.
Mais de 16 mil views no Youtube

Recorde de audiência do webinar da SECAP mostra a força dos eSports e poker no Brasil

Dando continuidade ao ciclo de webinars da SECAP/ME, o Secretário de Avaliação e Loterias, Gustavo Guimarães, acompanhado pelo Subsecretário Waldir Marques Jr, recebeu Igor “Federal” Trafane e Leo de Biase, para falar sobre a atualidade dos esportes eletrônicos e do poker. Com acompanhamento ao vivo por mais de 15 mil pessoas e 16 mil visualizações do vídeo no Youtube, os setores mostraram toda sua força e bateram o recorde de audiência do ciclo. O Secretário garantiu que quer “atender as expectativas do setor como estamos fazendo no caso das apostas esportivas”.

Após introduzir os palestrantes, Gustavo Guimarães, Secretário de Avaliação e Loterias (SECAP-ME), destacou que tem carinho especial pelos temas, “que contribuíram não só pela minha formação profissional como também pessoal”. Segundo ele, a evolução da sociedade tem evoluído cada vez mais em função do desenvolvimento tecnológico. “Por trás do desenvolvimento econômico e social na forma de uma ruptura, com a sociedade dando um salto em função da tecnologia. Ela propicia a evolução sequencial e nós seres humanos somos flexíveis e adaptáveis e por isso evoluímos tanto, com a tecnologia sendo um reflexo disso”.

Segundo ele, “essa evolução atinge todos os aspectos e ela está dentro do que discutimos sobre jogos, esportes e os eSports, que hoje podem se somar aos jogos de habilidade. E não podemos deixar de reconhecer que os jogos de inteligência, como xadrez, dama, dominó, sinuca e poker, que conquistaram adeptos no mundo inteiro”, avaliou.

Um apelo importante dos eSports e jogos de habilidades é, segundo o Secretário, de desenvolver a capacidade cognitiva dos indivíduos. “Uma sociedade que incentiva desde cedo que crianças e jovens desenvolvam habilidades como lógica e estatística, esses jogos levam a isso”, comentou.

Queremos criar e propor segurança regulatória para desenvolver esse mercado de forma saudável, tanto para as empresas quanto para as pessoas que estão nesse mercado, com simplicidade. Nesse sentido, estamos diante de uma janela de oportunidades e por isso vamos ouvir o que pensam os especialistas”.

Igor “Federal” Trafane, Presidente da Confederação Panamericana de Poker, e responsável pela legalização do poker por meio da Confederação Brasileira de Texas Hold’em, iniciou sua apresentação falando que “representamos um universo, nesse debate sobre jogos de habilidade, como poker, xadrez etc e dos eSports, 137 milhões de praticantes em sete modalidades no Brasil. O sucesso de nossa causa beneficia 9 entre 10 brasileiros, ou seja, quase a totalidade da população brasileira”, disse.

Leo de Biase, sócio-fundador da BBL, destacou que mais de 90 milhões de pessoas praticam eSports e jogos de habilidade, o que demonstra a força dessas atividades, “o que nos coloca, frente a frente com a SECAP para debater demandas que atendam à sociedade brasileira”, complementou a fala inicial de Igor Trafane.

 

 

Uma regulamentação bem-feita pelo governo para as atividades de eSports e de jogos de habilidade, vão impactar o Brasil como um todo”, destacou Igor. Segundo ele, "a causa principal no encontro é defender a separação, em termos legislativos e regulatórios, os jogos de azar dos jogos de habilidade, dando segurança jurídica para quem investe, trabalha e pratica jogos de habilidade no país”.

Depois de categorizar o que é jogo de azar e jogo de habilidade, os brilhantes painelistas reforçaram que a primeira ação que defendem é justamente separar uma prática da outra para que não se criem confusões sobre as possibilidades de cada uma das atividades.

Durante a apresentação, os palestrantes apontaram que o mercado brasileiro de games deve crescer muito em 2021 e nos próximos anos. Segundo Biase, o setor teve um faturamento de cerca de R$ 1 bilhão em 2019.

Igor apontou, complementando, que a cadeia produtiva da área alcança algo em torno de 400 mil empregos diretos dentro de sete modalidades citadas, com cerca de R$ 1,2 bilhões em salários. “O mercado de e-games deve alcançar em 2021 um faturamento de 6 bilhões, um crescimento de 600% em dois anos”.

 

 

Mesmo defendendo e apoiando integralmente a criação de uma lei de jogos de azar no Brasil, o grupo representado por Igor e Biase destacaram que pretendem criar um capítulo à parte nas discussões sobre jogos no país especialmente para os jogos de habilidade.

Mais de uma centena de perguntas foram colocadas pelos participantes do webinar, com temas que variaram de regulamentação em si, tributação, licenças, apostas, distribuição de prêmios, imposto de renda etc., o que demonstra a atenção que as atividades de eSports e jogos de habilidade na sociedade.

Igor destacou que o ponto mais importante na atualidade é que se crie uma regulamentação adequada para as atividades defendidas no webinar com vistas a oferecer segurança jurídica ao setor como passo inicial para consolidar essa indústria.

Daremos um primeiro passo para construir uma regulamentação que atenda o pleito não só do setor, mas de toda a sociedade, formatando um texto inicial a ser trabalhado pelos principais atores deste segmento, para que ele seja amplo e ao mesmo tempo justo”, explicou Gustavo Guimarães.

O Secretário apresentou uma pergunta especialmente focada nas apostas esportivas em eSports, no que Biase explicou: “todo o mercado de apostas já entendeu a força dos eSports e durante a pandemia, uma locomotiva que veio forte para as apostas foram os eSports, já que não havia interação presencial. Eles geram odds e todas as estatísticas necessárias para prover o setor de apostas. Existe muita discussão sobre isso e os principais setores, como CS:GO e League of Legends, já estão muito bem-organizadas na questão das apostas nos diversos campeonatos mundiais”.

Biase destacou como principais atividades nos eSports o Free Fire, League of Legends e Rainbow Six, em diversas plataformas, o que dá uma pequena dimensão do negócio. “Já tivemos campeonatos mundiais de Free Fire no Brasil e no exterior muitos atletas brasileiros são campeões em uma grande variedade de torneios, desde os pequenos até aqueles que enchiam estádios antes da pandemia”, comentou.

 

 

Nos demais jogos, Igor completou que os mais importantes, considerando os jogos de habilidade, o próprio poker e o xadrez. "O poker chama a atenção pelo aspecto financeiro, já que as premiações são gigantescas e pelo gigantismo da comunidade que joga. Ao mesmo tempo, temos o xadrez, que é o mais tradicional dos esportes da mente e o pai dos esportes de habilidade”, explicou.

 Gustavo Guimarães deixou como mensagem “que vocês tenham otimismo na discussão com o Congresso e no Executivo para que saibamos fazer muito bem todas as delimitações para atender as expectativas do setor de jogos de habilidades e eSports, como estamos fazendo no caso das apostas esportivas”, concluiu.

Fonte: GMB